Flávio Citro - Direito Eletrônico

PLANOS DE SAÚDE – IDEC ENVIA REIVINDICAÇÕES DOS CONSUMIDORES DE PLANOS DE SAÚDE À NOVA PRESIDÊNCIA DA ANS

ansO Idec enviou hoje (5/5) uma carta à nova presidência da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) apresentando dez reivindicações dos consumidores de planos de saúde. Na semana passada o médico Mauricio Ceschin tomou posse como direto-presidente da ANS, substituindo o também médico Fausto Pereira dos Santos.

Considerando que o setor ocupa pelo décimo ano consecutivo o ranking de reclamações do Idec, na carta o Instituto, além de apresentar as demandas dos consumidores, convida a ANS a firmar um efetivo e oficial compromisso de implantação de mudanças em temas que há anos são discutidos e que pendem de solução, a fim de que se garanta o respeito ao direito à saúde dos usuários de planos de saúde – que já somam 43 milhões de brasileiros (aproximadamente 23% da população).

A carta também foi enviada ao Ministro da Saúde, José Gomes Temporão, considerando a vinculação da ANS ao Ministério.

Confira abaixo as dez reivindicações dos consumidores de planos de saúde:

1.Posicionamento imediato e claro da ANS acerca da abusividade, nos termos do Código de Defesa do Consumidor, da rescisão unilateral de contratos coletivos.

2.Posicionamento imediato e claro da ANS acerca da abusividade e consequente ilegalidade de cláusulas contratuais de planos de saúde antigos que excluem a cobertura de procedimentos e doenças, conforme já reconheceu a Justiça em inúmeros casos.

3.Ampliação, ainda este ano, da portabilidade de carências em planos de saúde, sendo o patamar mínimo o fim da especificação de datas para o exercício desse direito e a ampliação para carências e cobertura parcial temporário em contratos coletivos.

4.Estabelecimento de diálogo com a sociedade em 2010 para elaboração de plano que permita, em 2011, a ampliação ainda maior da portabilidade de carências.

5.Discussão com a sociedade em 2010 e aplicação no ano seguinte de novas regras de reajuste de planos de saúde, nas quais se contemple maior transparência no método e dados utilizados – inclusive quanto a custos das operadoras de planos de saúde – e, principalmente, a sua aplicação a contratos coletivos. Lembremos que a lei de criação da ANS (Lei 9.961/00) não exclui de sua competência regulatória nenhuma das modalidades de contratação de plano de saúde.

6.Discussão com a sociedade ainda esse ano e implantação em 2011, de nova regulamentação para casos de quebra de operadoras de planos de saúde, incluindo-se regras que garantam a continuidade dos serviços prestados, o respeito aos contratos dos consumidores e maior transparência das contas das operadoras.

7.Elaboração e ampla divulgação da Agenda Regulatória da ANS, a começar pela divulgação até 30 de junho de 2010 da agenda referente ao segundo semestre do ano. Discussão com a sociedade, inclusive com consultas e audiências públicas, da agenda regulatória de 2011.

8.Implantação em 2010 de novos mecanismos de audiências e consultas públicas, principalmente com consultas preliminares aos interessados e análise justificada do aceite ou não das sugestões recebidas – nos moldes do já implementado pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).

9.Divulgação bimestral de dados acerca dos valores cobrados e efetivamente arrecadados a título de ressarcimento ao Sistema Único de Saúde (SUS), assim como publicização em 2010 de plano de melhora nos processos administrativos recursais e intensificação da cobrança dos passivos.

10.Divulgação bimestral de dados de fiscalização, de multas aplicadas e efetivamente arrecadadas, assim como publicização em 2010 de plano de melhora nos processos administrativos recursais e intensificação da cobrança dos passivos.    

5 de Maio de 2010   

http://www.idec.org.br/emacao.asp?id=2301

Faça seu comentário (2)

Comentado por MARCOS BELLO DA SILVA em 1/10/12

Infelizmente a realidade é essa paga-se por um serviço de péssima qualidade onde falta o respeito com a vida das pessoas e fere a Dignidade da Pessoa Humana e o Direito Universal o Direito a Vida e a Saúde um Direito Universal que Acalenta a todos afirmo que não é respeitados pelos planos de saúde na verdade essas agências reguladoras nada fazem ,não fiscalizam não atuam de forma ampla para proteger o consumidor ,é a realidade do nosso pais é essa

a mais pura vergonha e a falta de respeito com a vida das pessoas que pagam todos os meses os planos de saúde e na hora em que mais precisam lhes é negado o direito básico a saúde a vida .

a justiça é a ultima esperança para quem esta doente

o remédio que acalenta os desamparados e injustiçados

pelos planos de saúde .

Comentado por Antonio Carlos Fernandes em 25/5/10

duas dúvidas: tenho plano empresarial (coletivo) meu filho e dependente, ele tem 19 anos, é universitário (engenharia mecânica) quando completou 18 anos informei à Medservice, conforme determina manual do usuário. Até que idade (por lei) meu filho tem direito?
2ª dúvida – sou deficiente físico, recentemente fiz cirurgia plástica corretiva de ulcera de pressão na região isquiática, gastei nas idas e voltas do hospital $ 950,00 de ambulância por necessidade ja que segundo o médico não poderia sentar em cima da rotação de retalho, nesses casos, o plano deve pagar a ambulância ou não?
se puderem tirar minhas dúvidas, muito obrigado.

Site publicado em 04/05/2009
www.flaviocitro.com.br - siteflaviocitro.com.br